Cachorra (Hydrolycus scomberoides)

Cachorra

O peixe de água doce chamado Cachorra é conhecido popularmente como Peixe Vampiro.

Nome popular

O peixe de água doce chamado Cachorra é conhecido popularmente como Peixe Vampiro.

Nome científico

Hydrolycus scomberoides.

Distribuição geográfica

Sua espécie é distribuída nas Bacias Amazônica e Araguaia-Tocantins.

Habitat

O Cachorra habita locais de águas mais rápidas e com estruturas, como paus e pedras. Peixe de meia água, vive em canais e praias de rios, lagos e na mata inundada.

Alimentação

É um peixe piscívoro (alimenta-se de outros peixes), que ataca presas relativamente grandes, às vezes, atingindo cerca de 40-50% do seu comprimento total. Costuma emboscar suas presas atrás de galhadas, árvores e pedras nas margens.

Reprodução

Realiza migração reprodutiva a grandes distâncias rio acima. Sua reprodução ocorre de novembro a abril, quando atinge a primeira maturação com cerca de 27 cm de comprimento.

Características

O Cachorra possui escamas diminutas, corpo alto e comprimido. Sua boca é oblíqua, com uma fileira de dentes e um par de presas na mandíbula. Estas são tão grandes que a maxila superior possui dois buracos para acomodá-los quando a boca está fechada. Suas nadadeiras peitorais são grandes. Possui coloração prata uniforme com uma mancha preta alongada atrás do opérculo. Pode alcançar mais de 1 m de comprimento total.

Ecologia

Peixe de meia água, ocorrendo em canais e praias de rios, lagos e na mata inundada. Espécie piscívora que ataca presas relativamente grandes, às vezes atingindo cerca de 40-50% do comprimento total do predador. Atinge a primeira maturação com cerca de 27cm de comprimento e a reprodução ocorre de novembro a abril. Realiza migração reprodutiva a grandes distâncias rio acima. Não é importante comercialmente.

Curiosidades: Sua carne não tem valor nem mesmo para um assado na beira do rio por possuir muitas espinhas e ter sabor levemente adocicado. Mesmo assim, alguns goumets são capazes de realizar maravilhas com este peixe no prato, mas só os experts. Para aproveitar o ensejo, fica aqui um apelo especial para a cachorra: apesar de todos sua bravura e rapidez, é um peixe que se cansa com muita facilidade e não tolera um manuseio excessivo fora da água. Neste momento, se deixada sem se recuperar, torna-se presa fácil para outros peixes, especialmente as piranhas. O manuseio deve ser o mais rápido possível, principalmente com os grandes exemplares. Mantenha-a na água o maior tempo que puder para tirar a isca e ajeitar a câmera fotográfica. Cuidado com seus dentes longos e afiados porque não incomum causa sérios ferimentos. Por último, manuseie o animal com as mãos molhadas, este peixe produz uma abundante quantidade de muco. Espere o indivíduo recuperar-se bem antes de soltá-lo e boa pescaria!

Onde encontrar: É encontrado na calha dos principais afluentes do Amazonas – freqüentando também o próprio rio – levando-se em consideração somente a área do país. Pelágico, está constantemente exercitando-se em águas mais rápidas escondendo-se atrás de obstáculos como pedras, troncos e galhadas. Raramente entra na região de águas paradas podendo ser achado também nas bocas de lagoas. Algumas vezes pode ser encontrado dentro do rio, na junção de massas de águas com diferentes velocidades, ou em poços.

Dicas para pescá-lo: Por ter uma boca dura e difícil de perfurar, fisgue sempre para cima, não para os lados, com o objetivo de não deixar a cachorra escapar.

  • Equipamentos – O equipamento empregado é do tipo médio e médio/pesado; linhas de 14, 17, 20 e 25 lb.; e anzóis de n° 4/0 a 6/0. É recomendável o uso de empates de aço de pelo menos 20cm, pois esse peixe possui dentes muito afiados.
  • Iscas – Pode ser capturado com peixes inteiros ou em pedaços (lambaris, tuviras, curimbatás etc.) e com iscas artificiais, como plugs de meia água, poppers e hélices.
  • Dicas – Costuma saltar fora d’água quando é fisgado, mas tende a se cansar com facilidade. O pescador deve ter cuidado ao soltar esse peixe, por causa dos dentes afiados. Não tem o hábito de procurar enroscos, o que facilita a captura.