Piavuçu (Leporinus macrocephalus)

Piavuçu

O Piavuçu é um peixe que faz longas migrações rio acima para se reproduzir.

 

Nomes populares

peixe de água doce chamado Piavuçu é conhecido popularmente como Piauçu e Piau-Açu.

Nome científico

Leporinus macrocephalus.

Distribuição geográfica

Sua espécie é distribuída no Pantanal Mato-Grossense, bem como nos Estados de Minas Gerais, Goiás e São Paulo.

Habitat

O Piavuçu é um peixe que habita poços abaixo das corredeiras.

Alimentação

É um peixe omnívoro, com tendência a herbívoro, alimentando-se de caranguejos, frutas e pequenos peixes.

Reprodução

O Piavuçu realiza a desova total, ou Piracema. É um peixe que faz longas migrações rio acima para se reproduzir, podendo percorrer, em um só dia, mais de 4 km contra a correnteza.

Características     

peixe Piavuçu é um peixe de escamas, com corpo curto e grosso, boca grande e terminal. Possui coloração cinza escura, principalmente devido à borda lateral escura das escamas. O peixe jovem pode apresentar barras transversais nos flancos. Já o peixe adulto apresenta 3 manchas escuras, alongadas verticalmente, sendo a mais posterior algumas vezes difusa. Se o Piavuçu for muito grande, ele não apresentará barras nem manchas. É um peixe que pode alcançar 60 cm de comprimento total e pesar até 5 Kg.

Ecologia

Espécie onívora, com tendência a herbívora; pode ser capturada na beira e no canal dos rios, nas baías e a jusante de quedas d’água, principalmente nas proximidades da vegetação. No Pantanal, proporciona muita emoção nas pescarias de barranco.

  • Equipamentos – Varas de ação média com carretilha/molinete; linhas de 12 a 14 lb.; anzóis até o n° 2/0; e, chumbada leve. Nas pescarias de barranco recomenda-se o uso de vara de bambu.
  • Iscas – Minhocuçu, caramujo, caranguejo, milho e bolinhas de massa de farinha.

Dicas – Principalmente quando se pesca com caranguejo, o piavuçu tem o costume de beliscar a isca por partes, sem pegar muito firme. Por esse motivo, o pescador tem que ficar muito atento ao momento certo de fisgar.

Curiosidades: na maioria das vezes forma cardumes e prefere freqüentar a parte média e inferior das águas paradas. Parente próximo das piaparas, piavas e piaus, como um de seus maiores representantes podendo atingir cerca de 50 cm e pesar, no máximo, 4 kg, mas é muito raro encontrar espécimes nessas condições.

Onde encontrar: presente no Pantanal Mato-Grossense e nos Estados de Minas Gerais, Goiás e São Paulo, também é encontrado nas Bacias Amazônica, Araguaia-Tocantins e Prata.

Dicas para pescá-lo: encontrado durante todo o ano, principalmente nos meses quentes, o amanhecer e entardecer são os melhores horários para ser visto, períodos em que a luminosidade está bem mais baixa. Costuma viver nas margens dos rios, bocas de lagoas, baías, cursos de água limpa e corrente, pequenos afluentes, remansos dos rios, principalmente nas proximidades de vegetação e na floresta inundada, preferindo, geralmente, lugares perto de galhadas.