Pirarucu (Arapaima gigas)

Pirarucu

Nomes populares

peixe de água doce chamado Pirarucu é conhecido popularmente como Arapaima ou peixe pirosca.

Nome científico

Arapaima gigas.

Distribuição geográfica

Sua espécie é distribuída na Bacia Amazônica, na parte setentrional da América do Sul.

Habitat

O Pirarucu é um peixe que habita águas rasas dos rios e lagos.

Alimentação

É um peixe omnívoro, alimentando-se de peixes, apesar de também comer caramujos, camarões de água doce, cágados, cobras, anfíbios, caranguejos, seixos, areia, entre outros. Quando jovem, alimenta-se de plâncton que, mais tarde, são complementados com peixes.

Reprodução

A época de sua reprodução do Pirarucu ocorre de dezembro a maio, em águas rasas, onde os adultos preparam um ninho no fundo arenoso. Cada fêmea deposita cerca de 180 mil ovos em diferentes ninhos. Suas larvas eclodem ao quinto dia e nadam próximas à cabeça do pai que, nessa época, apresenta uma cor escura. Durante esse período, a proteção é garantida pela fêmea, que nada em volta do pai e dos filhotes.

Características

O peixe Pirarucu é o maior peixe de escamas de água doce do Brasil e um dos maiores do mundo. Possui corpo em forma cilíndrica, cabeça achatada e mandíbulas salientes. Seus olhos são amarelados e de pupila azulada, um tanto salientes. Sua coloração é marrom-esverdeada, escura no dorso a avermelhada nos flancos, sendo a intensidade variável de acordo com o tamanho do individuo e com o tipo de água em que vive.  É  uma  espécie  que  tem  respiração  acessória, utilizando-se do oxigênio dissolvido na água, mas principalmente do ar e, por isso, tem que subir frequentemente à superfície d’água. Pode viver mais de 18 anos. Devido à sua excelente carne, é considerado “o Bacalhau Brasileiro”. Pode atingir comprimento máximo de 2,10 m e 112 Kg de peso.

Hábitos: uma particularidade da espécie é subir de tempos em tempos à superfície d’água para respirar realizando assim uma respiração suplementar à branquial. Isso acontece por apresentar dois aparelhos respiratórios: as brânquias, para a respiração aquática, e a bexiga natatória modificada, que funciona como pulmão dependendo do oxigênio.

Curiosidades: também conhecido como bacalhau da Amazônia, é um verdadeiro fóssil vivo – há mais de 100 milhões de anos sua família existe sem modificações – atingindo quando adulto cerca de dois metros e um peso médio de 100 quilos, embora haja relatos antigos de exemplares com quatro metros e 250 quilos. Seu nome significa peixe (pira) vermelho (urucu) por sua coloração.

Onde encontrar: o pirarucu está nas Bacias Amazônica, do Araguaia e do Tocantins e prevalece nas águas calmas de suas várzeas. Vive em lagos e rios tributários de águas claras, brancas e pretas ligeiramente alcalinas e com temperaturas que variam de 25° a 36°C. Dificilmente é encontrado em zona de fortes correntezas e águas ricas em sedimentos.

Dicas para pescá-lo: depois da desova o cuidado com os ninhos expõe os reprodutores à fácil visualização. A espécie vive mais de 18 anos e só atinge a fase adulta depois dos cinco anos. O tamanho mínimo para captura é 1,50 m.